Como administrar finanças na vida a dois?

Alguns casais parecem ter um bloqueio total quando o tema é "finanças na vida a dois". Parece que qualquer palavra que você diga irá soar mal:

- Será que ele(a) está pensando que eu quero que ele me sustente?
- Será que ele(a) acha que não confio nele quando não quero abrir uma conta conjunta?
- Será que ele(a) me acha egoísta quando quero uma parte do dinheiro só para mim?
- Será que ele(a) acha que não acredito que ele seja capaz de prover a casa quando quero direitos iguais nas finanças da casa?

Pois é. Só que meus amores, se vocês não conversarem isso antes de morarem juntos ou casarem, pode ter certeza de que será um primeiro ano bem difícil.

Nós ainda não moramos juntos, mas já tivemos essa conversa. Como temos afinidades neste ponto, não nos esbarramos neste problema. Mas vamos trazer para vocês algumas dicas, opções para seguirem, prós e contras de cada uma para que vocês possam também ter essa conversinha importante e encontrem a melhor solução para vocês. O texto vai ser longo, mas é de grande utilidade, ok?

Como guiar a conversa?

Gente, não adianta. Não tem rodeios para este momento. Se em algum momento surgir o assunto "morar juntos" ou "casar", não tem forma bonitinha de conversar. Você pode até começar com alguma brincadeira sobre o cartão de crédito (sem serem ofensivos, por favor!), comentar sobre as contas de casa, quem será o responsável pela aquisição do novo console da Sony para se divertirem (experiência própria. haha), etc.

Se estiver inseguro para conversar sobre isso, deixe claro. Pessoas inseguras tendem a tentarem contornar o assunto e isso pode dar mal entendido. Deixando claro essa postura desde o início da conversa, o parceiro pode aliviar (ou o certo: perguntar o que você realmente quis dizer com aquilo) o que foi dito.

Separem um tempo em que os dois estejam de cabeça fria e sem cansaço. As vezes é difícil articular estratégias quando se está estressado com outros temas. Anotem cada ponto em um caderninho (principalmente se tiverem pensado em alguma estratégia para juntarem dinheiro).

Opções de divisão de finanças para a vida a dois

  • Apenas uma pessoa é responsável pelo provimento da casa: Aqui não estamos dizendo homem ou mulher. Nós não achamos essa a melhor opção, pois acaba depositando um encargo grande nas costas de apenas uma pessoa e tende a gerar sérios problemas entre o casal posteriormente. Mas em alguns momentos essa opção é necessária: casais solteiros que terão um filho em breve e a mulher não estava trabalhando anteriormente; quando um dos parceiros precisa mudar de cidade e o outro ainda não encontrou o emprego na nova localidade; por algum impeditivo (saúde, falta de oportunidades, estudo, etc.) o outro não pode trabalhar naquele momento; quando um dos dois prefere ficar em casa para se dedicar ao lar (lembrando, aqui foi uma opção da pessoa, sem ser coagida, e foi algo que ambos aceitaram, e não necessariamente tem que ser uma opção da mulher - o homem também pode querer essa opção).
  • Ambos trabalham, o salário de um é o provimento da casa e o outro fica para "fundo de emergência": Essa foi uma opção que já ouvimos antes, mas pessoalmente também não achamos a melhor opção. Ambos ficam com limitação de uso do seu dinheiro para fins pessoais. A opção que ouvimos é que o salário integral do parceiro ficaria numa poupança. Pois bem, e se esse salário for maior do que as contas da casa? É uma divisão desigual, não? Mas pode ser uma opção temporária para pessoas que estejam pensando em montar uma casa nova ou preparar a cerimônia de casamento. E, também,a nosso ver, caso sobre alguma parte do parceiro que pague as contas, que ele também deixe este dinheiro guardado.
  • O dinheiro do casal vai integralmente para uma conta conjunta: Muitos acham essa uma opção justa, já que é uma vida a dois e não há a existência do "meu dinheiro que paga as contas", podendo ser retirado dali por qualquer um de vocês caso seja necessário pagar algo para a casa. Pois bem, nosso ponto de crítica é o seguinte: um dia você, homem, decide que quer comprar o PS5 (calma, estamos pensando no futuro, e que será um console caro de verdade), e sua parceira detesta videogame. Um exemplo para as mulheres: você quer dar a louca e gastar muito dinheiro com roupas, maquiagem ou algo que você realmente goste que não esteja dentro do clichê feminino. Gera um atrito muito grande a longo prazo (eu banquei seu capricho!), sem contar que, caso um queira juntar para comprar ago maior (uma moto 1500cc, por exemplo), poderá se ver frustrado porque não sobra dinheiro da conta conjunta para isto, não conseguindo ter autonomia para poupar o quanto deseja.
  • O casal define um valor fixo para guardarem para as despesas comuns e ficam com o restante para si: Estamos nos aproximando do que nós, Marmotas em Apuros, pensamos ser o ideal, já que há uma contribuição conjunta para a vida a dois e não limita os gastos pessoais. Porém, ainda fica um tanto quanto desleal. Por exemplo: vocês definem R$1500 reais de cada para gastos comuns. Porém, você recebe R$2500 e seu parceiro R$ 5000. Justo isso? Não. Proporcionalmente, quem ganha menos sairá mais prejudicado.
  • O casal define uma porcentagem do salário de cada para as despesas comuns e ficam com o restante para si: Chegamos ao que nós dois pensamos ser a melhor opção para nós. Definindo uma porcentagem fixa (a nossa atual é 25% do rendimento mensal) para contas da casa e poupar para outros objetivos (fundo de emergência, poupança para os filhos, viagens juntos, dinheiro para uma nova casa ou cerimônia de casamento, etc.), ela deve ser colocada em uma conta conjunta (nela vocês podem até colocar a opção de débito automático das contas da casa) e não deve ser mexida por vocês a não ser que seja algo para a casa (um novo eletrodoméstico, uma reforma, etc.). Se o seu dinheiro pessoal acabou, resista até o mês seguinte, nada de empréstimos desta conta para fins pessoais. Aí cada um terá liberdade para gastar o seu dinheiro pessoal como quiser e não será injusto para nenhuma das partes.
Uffa, muitas opções, não? E você, concorda ou discorda com a nossa opção? Qual escolheria? Conte para nós nos comentários!

0 comentários:

Postar um comentário



 
TODOS OS DIREITOS RESERVADOS - COPYRIGHT 2015